O ACESSO À INFORMAÇÃO GENÉTICA E A CONFORMAÇÃO DOS NOVOS DIREITOS DA PERSONALIDADE: O ALCANCE DA PROTEÇÃO À IDENTIDADE GENÉTICA SOB A PERSPECTIVA DO DIREITO CIVIL CONTEMPORÂNEO

Ana Thereza Meirelles Araújo

Resumo


RESUMO: Artigo destinado à análise da conformação do direito à identidade genética como uma espécie dentre os novos direitos da personalidade considerando o direito civil contemporâneo. O objetivo da pesquisa é descortinar o alcance da proteção à identidade genética a partir das diferentes situações que podem envolver a proteção ao bem jurídico em destaque. Como caminho metodológico, usou-se a abordagem lógico-dedutiva, a fim de identificar por meio de dedução a melhor interpretação no que tange à construção da proteção do direito.

Palavras-chave: identidade genética; direito da personalidade; informação genética; direito civil contemporâneo; novos direitos.

Palavras-chave


identidade genética; direito da personalidade; informação genética; direito civil contemporâneo; novos direitos

Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS

ALCÂNTARA, Manuel J. Santos. Aspectos bioéticos del consejo genético em la era del proyecto del genoma humano. Acta Bioethica, 2004, ano X, n. 2.

BARBAS, Stela Marcos de Almeida Neves. Direito do Genoma Humano. Tese de doutoramento em Ciências Jurídicas na Universidade Autonoma de Lisboa. Coimbra: Almedina, 2007.

BARTH, Wilmar Luiz. Engenharia genética e Bioética. Revista da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, v.35, n.149, set./2005. Disponível em: . Acesso em: 05 jan. 2017.

BORGES, Roxana Cardoso Brasileiro. Direitos de personalidade e autonomia privada. 2.ed. rev. São Paulo: Saraiva, 2007.

CAPELO DE SOUSA, Rabindranath V.A. O Direito Geral de Personalidade. Coimbra: Coimbra Editora, 1995.

CASABONA, Carlos María Romeo. La genética y la biotecnologia en las fronteras del Derecho. Acta Bioethica, 2002, ano VIII, n.2.

CASTIEL, Luis David; CARDOSO, Maria Helena Cabral de Almeida. Saúde coletiva, nova genética e eugenia de mercado. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v.19, n.2, mar.-abr., 2003.

DINIZ, Debora; GUEDES, Cristiano. A Ética na História do Aconselhamento Genético: um Desafio à Educação Médica. Revista Brasileira de Educação Médica, n.33, 2, 2009.

ECHTERHOFF, Gisele. Direito à privacidade dos dados genéticos. Curitiba: Juruá, 2010.

EMALDI CIRIÓN, Aitziber. El consejo genético y sus implicaciones jurídicas. Bilbao-Granada: Comares, 2001.

HÄBERLE, Peter. Hermenêutica Constitucional: a sociedade aberta de intérpretes da constituição: contribuição para a interpretação pluralista e ‘procedimental’ da Constituição”. Tradução de Gilmar Mendes. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris Editor, 2002.

HAMMERSCHMIDT, Denise. Intimidade genética & Direito da Personalidade. Curitiba: Juruá Editora, 2008.

JONAS, Hans. Ética, medicina e técnica. Tradução de Antonio Fernando Cascais. Lisboa: Paimgráfica, 1994.

KUTUKDJIAN, Geoerges B. The Human Genome Project: Citizenship and Human Rights. In: GARRAFA, Volnei; PESSINI, Leo (Orgs.). Bioética: Poder e Injustiça. São Paulo: Ediçoes Loyola, 2004.

LACADENA, Juan-Ramon. Genética y Sociedad. Madrid, 2011. Disponível em: . Acesso em: 12 jan. 2017.

LIMA NETO, Francisco Vieira. O Direito de não Sofrer Discriminação Genética. Uma nova Expressão dos Direitos da Personalidade. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2008.

NETO LOBO, Paulo Luiz. Direito ao Estado de Filiação e Direito à Origem Genética: Uma distinção necessária. Revista CEJ, Brasília, n. 27, p. 47-56, out./dez. 2004.

OSSWALD, Walter. Diagnóstico genético e medicina predizente. Diagnóstico prénatal. In: ASCENSÃO, José de Oliveira (Coord.). Estudos de Direito da Bioética. Coimbra: Almedina, 2005.

OTERO, Paulo. Personalidade e Identidade Pessoal e Genética do ser humano: Um perfil constitucional da Bioética. Coimbra: Almedina, 1999.

RIVERO, Jean; MOUTOUH, Hugues. Liberdades públicas. Tradução de Maria Ermantina de Almeida Prado Galvão. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

SARLET, Ingo Wolfgang. Dignidade da pessoa humana e direitos fundamentais na Constituição Federal de 1988. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2001.

SCHRAMM, Fermin Roland. Eugenia, Eugenética e o Espectro do Eugenismo: Considerações atuais sobre Biotecnociência e Bioética. Revista Bioética, CFM, Brasília, 2006. Disponível em: . Acesso em: 02 fev. 2017.

SCHREIBER, Anderson. Direitos da Personalidade. São Paulo: Atlas, 2011.

SEGRE, Marco; GATTÁS, Gilka Jorge Figaro; WUNSCH FILHO, Victor. Genética, biologia molecular e ética: as relações trabalho e saúde. Revista Ciência e Saúde coletiva, Rio de Janeiro, n.7, 2002.

SZANIAWSKI, Elimar. Direitos de personalidade e sua tutela. 2.ed. rev. atual., e ampl. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2005.

PERTELE, Selma. O Direito Fundamental à Identidade genética na Constituição Brasileira. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2007.

POTTER, Van Rensselaer. Bioethics: Bridge to the future. New Jersey: Prentice-Hall, 1971.

______. Global Bioethics. Michigan: Michigan State University, 1988.

PRADO, Luis Regis; HAMMERSCHMIDT, Denise. A clonagem terapêutica e seus limites de permissibilidade na lei de biossegurança brasileira (lei 11.105/05). Anais – Conpedi Manaus. Disponível em: . Acesso em: 18 abr. 2017.

TEIXEIRA, Ana Carolina Brochado. Saúde, corpo e autonomia privada. Rio de Janeiro: Renovar, 2010.

TORQUATO, Bruno Naves; SÁ, Maria de Fátima Freire. Manual do Biodireito. Belo Horizonte: Del Rey.




DOI: http://dx.doi.org/10.26668/IndexLawJournals/2526-0243/2017.v3i2.2302

##plugins.generic.alm.title##

##plugins.generic.alm.loading##

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Brasileira de Direito Civil em Perspectiva, Florianópolis (SC), e-ISSN: 2526-0243

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.